A avançada do Sporting Ana Capeta mostrou-se hoje surpreendida com a primeira chamada à seleção nacional feminina de futebol, frisando que tem trabalhado sempre para chegar à equipa das ‘quinas’, apesar da pouca utilização no clube ‘leonino’.

“Foi uma surpresa e fico feliz por estar no lote das 20 jogadoras. Não estava à espera pelo facto de não ter muito tempo de jogo no Sporting”, começou por confessar, em declarações à agência Lusa, no primeiro dia de estágio na Cidade do Futebol, com vista ao duplo compromisso diante da Moldávia e da Itália referente à fase qualificação do campeonato do Mundo de 2019, a realizar em França.

Com apenas 19 anos, Capeta notabilizou-se nos últimos meses ao serviço do Sporting com golos decisivos, porém os poucos minutos oferecidos por Nuno Cristóvão nos ‘leões’ adiaram a chamada à seleção do talismã de Alvalade.

“Apenas vim quando o selecionador achou que me adequava mais às jogadoras necessárias e, apesar de nunca ter sido chamada, continuei sempre a trabalhar para aqui chegar. Estou a ter a minha oportunidade aqui nos treinos da seleção e o selecionador vai ver se me adequo. De resto, o tempo que jogo no Sporting vou ter que dar o meu melhor”, explicou.

Contudo, Ana Capeta reconheceu que não tem estreia garantida na seleção liderada por Francisco Neto frente às moldavas e italianas, lembrando que “se tiver oportunidade vai tentar fazer o melhor para conseguir alcançar os objetivos pessoais e da equipa”.

Depois do desaire (1-0) com a Bélgica na primeira jornada do grupo 6, a importância de vencer os dois encontros é a meta traçada por Ana Capeta: “O grupo está bastante unido e vamos trabalhar para melhorar os erros que cometemos contra a Bélgica. Temos estado a trabalhar, a treinar os fatores de jogo e vamos tentar ganhar os seis pontos”, terminou.

Na sexta-feira, Portugal defronta a Moldávia, no Estádio do Bonfim, em Setúbal, e quatro dias depois, no Estádio António Coimbra da Mota, no Estoril, enfrentará a Itália. Ambas as partidas estão marcadas para as 17:00.