Jorge Jesus lançou em Alvalade, diante do Feirense, um jogador que apelidou de “novo Jordão”. O treinador leonino estreou Rafael Leão em partidas dos campeonato, aos 18 anos, e logo diante dos adeptos sportinguistas.

Na sala de imprensa, após a suada vitória, veio a surpreendente comparação e António Leão, pai de Rafael revela, em Bola Branca, que já um tio havia notado as semelhanças com a antiga glória. Ouvi-lo pela boca de Jesus, no entanto, “foi um grande elogio”.

“O Jordão foi um grande jogador e o que Jesus disse é uma grande verdade, é a realidade”, começa por disparar o pai envaidecido. António destaca o “orgulho” com que Rafael ouve estes elogios e que lhe dão “muita força para trabalhar”. O progenitor do debutante ficou admirado com “o número de fãs” que no final do desafio abordaram o nº 93.

A confiança do pai em Rafael leva-o a acreditar que o mais jovem Leão “pode ser muito melhor que Jordão”, mas que também pode vir a adquirir caraterísticas de outros jogadores, porque “estamos a falar de um miúdo de 18 anos”. “Ele está a evoluir e a crescer. Eu só quero que seja um grande, grande jogador. E ele tem tudo para ser um grande, grande jogador”, afirma.