A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APF) anunciou hoje a indisponibilidade de os juízes do principal escalão dirigirem jogos da Taça da Liga nos meses de novembro e dezembro, devido à contestação ao setor.

Em comunicado, a estrutura representativa dos árbitros considera que “não existem condições para continuar a arbitrar”, atendendo a que “o clima no futebol português se tem degradado cada vez mais nos últimos tempos”.

“Uma asfixia constante em torno do papel do árbitro que tornaram quase irrespirável o ar que a cada semana encontramos nos relvados do nosso país. Semanalmente vemos dirigentes de clubes profissionais a socorrerem-se da mesma desculpa quando o resultado desportivo os compromete e precisam de encarar os seus adeptos”, prossegue a APAF.

Nesse sentido, a APAF diz anunciou “que os árbitros C1 não estarão disponíveis para os jogos da Taça da Liga agendados para o final dos meses de novembro e dezembro, iniciando, desde já, todos os procedimentos regulamentares nesse sentido”, acrescentando já ter informado a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) desta tomada de posição.

“A APAF lamenta que tenha sido necessário este extremar de posições, esperando que o mesmo, seja capaz de conduzir os clubes profissionais a uma reflexão profunda onde o comportamento dos seus dirigentes seja um dos pontos centrais a refletir e origine uma nova era no desporto nacional”, lê-se ainda no comunicado, no qual acrescenta esta ‘greve’ “nada tem a ver com as questões remuneratórias que se encontram em fase de discussão com a LPFP”.

De acordo com o sítio oficial da LPFP, estão previstos nove jogos da terceira fase da Taça da Liga para 28 e 29 de novembro e cinco para 21 de dezembro.