Bruno de Carvalho garantiu que se demite da presidência do Sporting se os seis jogadores que já rescindiram contrato – Gelson, Bas Dost, William, Bruno Fernandes, Podence e Rui Patrício – recuarem e aceitarem jogar pelos ‘leões’ em caso de vitória eleitoral da atual Direção do clube.

“Se, neste momento, os seis atletas que rescindiram, e nesta estratégia de desgaste mais pode acontecer, se o problema é este Conselho Diretivo, basta os atletas escreverem uma carta à SAD dizendo que se esta Direção se demitir voltam atrás nas rescisões e jogam no Sporting. Se nos voltarmos a candidatar e ganharmos também continuam a valer estas premissas. Basta haver essa carta dos seis e nós na mesma hora demitimo-nos”, atirou.

“Uma carta em que digam dois pontos: que se nos demitirmos que voltam atrás com as rescisões; que se nos candidatarmos e ganharmos continuam a valer essas premissas”, sublinhou.

“Se nos formos embora o futebol muda de paradigma. Se isto são causas por justa então é melhor o futebol mudar completamente. Se sairmos, que tipo de liderança teria o próximo presidente. Iria gerir sob medo, sob pressão? Não, os jogadores voltaram atrás e ele vendia-os. E se quisesse esses jogador ir embora fazia o mesmo e o Sporting não saía disto. O mais fácil era apresentarmos a demissão mas o Sporting perdia tudo o que conquistou em cinco anos, pois quem mandava no clube seriam agentes e advogados. Não quero meter os jogadores nisto. Na altura certa direi o que sei sobre cada um deles. O que traria de bom a nossa saída?”, questionou.

Recorde-se que que o prazo legal para as rescisões por justa causa termina esta quinta-feira, 30 dias após as agressões em Alcochete (15 de maio), que estará na base destes pedidos de rescisão.