O pivô português do Sporting recordou esta segunda-feira a polémica em torno da sua viagem para Dublin, em 2011, para assistir à final da Liga Europa entre FC Porto e SC Braga.

Fernando Cardinal nunca escondeu a sua ligação afetiva aos ‘dragões’ mas acabou por ser despedido do Sporting por alegadamente ter faltado a um treino dos ‘leões’ sem autorização do clube de Alvalade para viajar até à Irlanda para a final da Liga Europa de 2011.

Em entrevista ao jornal O JOGO, Fernando Cardinal garantiu que só viajou para Dublin porque o treinador dos ‘leões’ lhe tinha dado autorização e lamentou que o técnico leonino tenha voltado a trás com a palavra.

“Tive autorização do treinador para ir ver esse jogo [da final da Liga Europa entre FC Porto e SC Braga], se depois voltou com a palavra atrás é problema dele. Sou portista, mas não sou maluco. O Sporting é quem me paga as contas e não ia desrespeitar o clube para ir ver um jogo da Liga Europa”, começou por dizer Cardinal.

Recorde-se que o internacional português de futsal acabaria por ser despedido do Sporting em 2011 devido a essa polémica, e que não esperava regressar ao clube de Alvalade seis anos depois.

“Confesso que não contava regressar ao Sporting, não por mim mas por algumas pessoas que podiam não querer o meu regresso”, frisou o pivô português, para depois acrescentar que sempre admirou o clube de Alvalade apesar de ser adepto do FC Porto.

“Lembro-me quando o Sporting foi campeão em 2002, comprei o cd da Juve Leo porque gostava das músicas e até seguíamos a claque. Tenho um grande carinho pelo clube que represento. Quando há um Sporting-FC Porto em futebol fico em casa, não vou ao estádio. Só eu sei por quem torço…”, sentenciou Cardinal.