Este Sporting está impróprio para cardíacos. Ora se vê logo em situação de dupla desvantagem para recuperar em pressão épica, ora desbarata a tranquilidade de dois golos marcados cedo. Em comum nos últimos jogos para o campeonato, o resultado de 3-2, os erros de Rui Patrício, e as estonteantes oscilações onde a equipa passa de mandona a mandada sem causa aparente.

Domingos tem toda a razão quando atenua a pressão da luta pelo título ao apontar uma equipa “para amanhã”. Porém, o técnico bem sabe que, antes de jovens jogadores holandeses ou argentinos, foi o presidente do clube quem assumiu o discurso de combate pelo primeiro lugar. Por mais que Domingos peça calma aos adeptos e dirigentes, este Sporting está condenado a lutar pelo título ou a dececionar. O doloroso investimento justifica a exigência. O ponto de onde partiu não permite maiores voos.

A nova equipa titular do Sporting conta dois jogadores que transitam da época passada e recebe jogadores das mais diversas latitudes. Felizmente para Domingos o último e mais caro reforço é um extraordinário tradutor.  Elias é um descomplicador que, junto com Rinaudo, pode operar o prodígio de transformar o caos em cosmos. Mas as fraquezas deste Sporting são ainda muito evidentes. A começar por uma defesa que cede sob pressão, onde Onyewu até pode marcar alguns golos em bolas paradas mas dificilmente passará o teste dos grandes palcos.

Sim, este Sporting talvez possa disputar o título, mas só por milagre lá chegará.

Outros artigos:

About the author

Pedro Pinto, adepto fervoroso do Sporting Clube de Portugal, decidiu construir o supersporting.net, com o objectivo de formar um Super Sporting, sendo este um espaço de informação e debate para todos os assuntos relacionados com o nosso Sporting.

Comente

Your email address will not be published.

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>