O Sporting acionou há cerca de uma semana uma cláusula do contrato de Gelson Martins que permitia ao jovem leonino ganhar mais 400 mil euros por temporada, ao mesmo tempo que a sua cláusula de rescisão passava de 60 para 100 milhões de euros. O extremo, contudo, acabou por rescindir com justa causa o vínculo que o ligava aos leões na última segunda-feira.

Segundo o DN apurou junto de fonte conhecedora do processo, os leões quiseram dar um prémio ao jogador pela boa campanha na última temporada e acionaram esta cláusula há uma semana, com retroativos até julho de 2017, que o jogador já recebeu. A SAD podia fazê-lo apenas em julho mas antecipou a situação de forma a premiar Gelson. Por isso, conta a mesma fonte, os dirigentes leoninos ficaram muito surpreendidos com a decisão do jogador em alegar justa causa.

Este novo contrato permitia ao internacional português que está integrado na seleção que se encontra disputar o Mundial na Rússia passar de um salário bruto de 1,8 milhões/época para 2,2 milhões. Além disso, e conforme estipulava a cláusula, tinha efeitos retroativos, ou seja, Gelson iria já receber mais 400 mil euros na sua conta a partir do mês de julho.

Gelson Martins, recorde-se, fez chegar a Alvalade a carta de rescisão unilateral do contrato na segunda-feira, num dia também marcado pelas rescisões de William Carvalho, Bruno Fernandes e Bas Dost, que seguiram o exemplo de Rui Patrício e Podence. Em Alvalade espera-se ainda que mais jogadores possam seguir o mesmo exemplo, sobretudo o argentino Marcos Acuña.

O DN sabe ainda que o jogador vai deixar, no final do mês, de ser representado por Ulisses Santos, e passará a ser agenciado por outro empresário.