O Barcelona para além de dominar o futebol nos dias de hoje, ganhando títulos atrás de títulos e introduzindo a nova moda do «tiki-taka» no futebol, tem uma formação que causa inveja a qualquer outro clube. Nomeadamente na “era Guardiola”, onde o técnico espanhol ia juntando as habituais estrelas tais como Xavi, Iniesta e Messi, com os jogadores mais novos e promissores, esta aposta na formação tornou-se mais evidente e satisfatória.

Jogadores como Pedro Rodríguez e Busquets, já com um papel determinante no emblema espanhol, são produtos da formação catalã, que promete não ficar por aqui e lançar para os grandes palcos mais jovens estrelas, que com o devido acompanhamento poderão realmente ter a sua sorte no mundo do futebol.

Em mais uma fornada “quente” da formação blaugrana, destacam-se alguns nomes, nomedamente Montoya, Thiago e Cristian Tello, de quem falarei mais aprofundadamente neste texto. Trata-se de um jovem com grande potencial. Tello é extremo, ambidestro e reúne todas as condições necessárias para triunfar num futuro a longo prazo. Joga nas duas alas, mas actua preferencialmente pelo lado esquerdo, facto que lhe permite ser bastante útil à sua equipa. Não entra em grandes malabarismos, é simples e prático e usa a técnica e velocidade como arma forte do seu tipo de jogo.

Tem apenas mais um ano de contrato com o Barcelona, o que poderá facilitar a sua saída. No entanto, os catalães não pretendem ver-se livres de um jogador que já deu mais que garantias para permanecer na equipa. O futuro de Tello é agora, portanto, uma incógnita. Mercado não falta ao jovem espanhol e até já se falou em integrar os plantéis de Benfica e Sporting, sem no entanto se noticiar quaisquer avanços nesse sentido.