A Bélgica está, à vista de todos, a formar uma geração bastante forte e talentosa. Perspectiva-se um grande salto qualitativo na selecção belga e esperam-se também melhores prestações nas competições disputadas a nível das selecções, não só da Europa como também de todo o Mundo. Esta selecção falhou, infelizmente, o apuramento para o Euro 2012, mas promete lutar muito para conseguir qualificar-se para as próximas competições e jogadores como Eden Hazard, Axel Witsel, e o guardião Courtois, terão certamente um papel decisivo nesse aspecto.

No entanto, o jogador de que vos falarei neste artigo não está incluído no pequeno lote que eu dei a conhecer no parágrafo acima. Trata-se então de Romelu Lukaku, avançado belga que representa hoje em dia o Chelsea, clube inglês que se sagrou recentemente campeão europeu, depois de uma inesperada e surpreendente campanha comandada por Di Matteo, treinador dos blues. O jovem prodígio belga não teve ainda tempo para se mostrar em Stanford Bridge, porém, foi mesmo no Anderlecht que se lançou para os grandes palcos e que se destacou, percurso este que vou pormenorizar já de seguida.

Nascido no Congo mas naturalizado belga, Romelu Lukaku começou a sua carreira no modesto Rupel Boom, onde esteve durante 4 anos. Daí, seguiu o seu caminho para o Lierse, outro clube menos conhecido da Bélgica, mas que teve o privilégio de contar no seu elenco com um jogador da qualidade de Romelu. Passados 3 anos, assinou contrato com o Anderlecht, onde ficou mais 3 anos e assumiu-se definitivamente como uma grande “esperança” do futebol belga. Aos 16 anos estreou-se a nível profissional nos belgas, e somou até à sua saída 73 jogos e 33 golos, marca esta que lhe permitiu ganhar mais visibilidade e interesse por parte dos “tubarões” europeus.

Muito forte fisicamente e com uma grande capacidade em finalizar, Lukaku é hoje uma das grandes promessas do futebol a nível mundial e muito se espera do “gigante” de origem congolesa. Contratado pelo Chelsea em 2011, ainda não se conseguiu afirmar e pretende ser emprestado para puder provar o seu mais do que reconhecido valor.