O Moreirense não voltou a ganhar desde a conquista da Taça da Liga, no final de janeiro. Outra maneira de colocar as coisas é dizer que não voltou a ganhar desde que perdeu Geraldes e Podence para o Sporting. No total, são seis jogos, três derrotas e outros tantos empates que deixam o “campeão de inverno” apenas com o pescoço acima da linha de água.

Mas não foi só o Moreirense que perdeu com o regresso de Geraldes e Podence a Alvalade. Jesus bem pode dizer que um lugar no banco de suplentes do Sporting é melhor do que a titularidade na maior parte da equipas da I Liga, mas aos 21 anos jogar regularmente é fundamental. E se Podence ainda tem sido usado, mesmo que de forma intermitente, a carreira de Geraldes travou a fundo e entrou em “stand-by”. O facto de não ser alternativa mesmo quando Jesus não tem Adrien e se vê forçado a improvisar soluções de recurso para o meio-campo diz qualquer coisa sobre convicção com que o treinador o foi buscar a Moreira de Cónegos.

Mas mais do que o Moreirense ou os jogadores, foi o Sporting que perdeu com o regresso prematuro dos dois jovens à casa de partida. Não apenas por não conseguir rentabilizá-los, como os resultados demonstram para lá de qualquer dúvida razoável, mas sobretudo por ter travado o processo de amadurecimento que, se fosse levado até ao fim no Moreirense, onde até trabalha um treinador de confiança dos leões, lhe podia garantir dois reforços de peso para a próxima temporada. Assim, para já, perderam todos. E esse, já se sabe, é um péssimo resultado.