Nuno Saraiva deixou uma mensagem aos adeptos do Sporting em que pede mais militância para apoiar o clube. Através das redes sociais, o diretor de comunicação dos ‘leões’ disse que não basta atitude para conquistar títulos.

“Para sermos campeões não basta Atitude e Compromisso, é precisa também a militância de todos nós.

Não abram a “pestana” e lutem a sério ao nosso lado que, no final da época, em vez de comemorarmos o título de campeões como merecemos, vamos todos, como de costume, esfregar as mãos e dizer “para o ano é que é!” “, escreveu Nuno Saraiva no Facebook.

As palavras de Nuno Saraiva surgem depois de Bruno de Carvalho também ter deixado uma mensagem nas redes sociais apelidada pelo próprio como o ‘Manuel do Burro’.

Confira as palavras de Nuno Saraiva:

Continuem a não querer ler o Manual e a dizer que nos desgastamos e ao Clube, que esse é que é o caminho.

Enquanto os dirigentes do Sporting CP lutam pela verdade desportiva, alguns que enchem a boca para se dizerem sportinguistas vão mantendo o espírito autofágico do Clube. Ao mesmo tempo, os nossos rivais lutam pelo poleiro e agradecem.

Vão continuando entretidos a discutir o bom Bruno e o mau Bruno, a alimentar e a falar das calúnias lançadas pelos sonsos e pelas cartilhas miseráveis e asquerosas dos nossos rivais, que eles ficam todos felizes. Aliás, por algum motivo eles andaram décadas a dizer que o Sporting CP não contava porque andava sempre em lutas internas e se “matavam” uns aos outros.

Olhem bem para os jogos desta eliminatória da Taça de Portugal e verifiquem bem se tenho ou não razão. Onde é que houve erros grosseiros? Quem é que foi ou não às salas de conferência de imprensa?

Continuem pois a dar ouvidos aos 9% de aziados e à cartilha do Janela que, ao mesmo tempo, os nossos rivais vão se rindo à nossa custa.

Para sermos campeões não basta Atitude e Compromisso, é precisa também a militância de todos nós.

Não abram a “pestana” e lutem a sério ao nosso lado que, no final da época, em vez de comemorarmos o título de campeões como merecemos, vamos todos, como de costume, esfregar as mãos e dizer “para o ano é que é!”.