De visita à Escola Dr. Azevedo Neves na Amadora, Raphinha e Wendel responderam a algumas questões dos jovens presentes na conferência dos dois atletas do Sporting, que depois distribuiram largas dezenas de autógrafos.

Raphinha disse que a distância para a família é algo que ainda hoje é complicado de lidar, ao passo que Wendel destacou a sua difícil adaptação ao Sporting.

Raphinha

“Quando o Sporting me veio procurar, senti-me muito acolhido. Fiquei muito contente e hoje em dia estou muito feliz aqui. Espero conquistar muitos títulos e fazer muitos golos para dar alegrias aos adeptos”.

“Quando saí do Brasil, pensei muitas vezes em desistir e voltar para perto da minha família. Hoje em dia ainda é difícil de lidar, mas já consigo estar melhor com isso”.

“No meio dos jogos, o sangue esquenta um pouco. Mas for a do campo, todos somos amigos e nos cumprimentamos. Ali estamos a quente, mas não passa disso”.

Wendel

“Todos os jogadores passam dificuldades, como já passei. É preciso trabalhar. Não é só ter talento”

“Apenas vim com a minha mãe e o meu empresário para Portugal. Foi um ano difícil, de adaptação”