Em Lisboa ‘avisado’. Depois da Gold Cup, Bryan regressou a Lisboa, na segunda semana de agosto, para resolver o seu futuro. Já sabia que não entrava nas contas de Jesus para a nova época.

Três propostas. Segundo confirmou fonte próxima da SAD a Record, o extremo teve entre mãos três propostas financeiramente favoráveis quer para o próprio quer para o Sporting. Rejeitou-as e limitou as possibilidades de sair.

À parte com Douglas. A janela fechou e a solução foi treinar-se à parte, em conjunto com Douglas, que foi seu colega no Twente, Holanda. Contam com a ajuda de Carlos Bruno, preparador físico da equipa B, que divide os trabalhos entre relvado e ginásio.

Relatórios semanais. Sporting e Federação da Costa Rica falam semanalmente para pontuar o momento de Bryan, que pode viajar mais cedo para San José para treinar com os sub-18 do país antes dos jogos de qualificação para o Mundial da Rússia.

Apelo de Villalobos. O presidente da Federação foi taxativo em relação ao afastamento do jogador. “Estamos preocupados, pois está praticamente isolado, a treinar-se sozinho e pedimos que o possa fazer com a equipa B”.

Respeito não foi mútuo. Fonte da SAD frisa a Record que a reintegração do jogador não será possível – só está inscrito na Liga por imposição regulamentar – A mesma fonte garante que Bryan não respeitou o Sporting da mesma forma que o clube sempre o respeitou.