Em entrevista ao jornal A Bola deste sábado, José Peseiro comentou os últimos resultados da sua equipa, apontado ao momento que o Sporting viveu no passado verão, com a saída de vários jogadores. O técnico leonino indicou a ‘aglutinação dos sportinguistas’ como ponto-chave para se atingir objetivos.

“Independentemente do protagonismo que cada um quer ter nestes momentos, tem de perceber que o mais importante é o Sporting. (…) Qual é a solução? Continuar com essa angústia e não nos aglutinarmos? Ninguém sabe o que este Sporting passou? Os jogadores que perdeu? A dificuldade em que alguns regressaram? Aquilo que foi um esforço do treinador e de toda a estrutura de tirar incertezas dos jogadores que regressaram?”, começou por questionar.

Questionado sobre a lesão de Bas Dost, Peseiro falou em “precipitação”.

“Bas Dost chegou atrasado e esteve praticamente dois meses sem treinar, o que é sempre perigoso pelas lesões. Ele lesionou-se e criou-se uma expetativa de regresso de um jogador que é muito profissional e obsessivo. Aquela luta interna e desespero e vontade de jogar levou a que houvesse alguma precipitação.”

O técnico dos leões apontou ainda ao ‘caso Nani’. José Peseiro garantiu que tudo foi “resolvido” e que o jogador “percebeu tudo”. “Os jogadores têm opinião no sítio e no local certo, mas quem manda sou eu.”