bruno de carvalho

O projeto de reestruturação financeira de Bruno de Carvalho, que deverá ser apresentado aos sócios em assembleia geral, no início de junho (e não a 31 de maio, como esteve agendado), prevê que a Sporting Património e Marketing (SPM) seja incorporada na SAD por 8 milhões de euros. A valorização resulta do alargamento do direito de utilização do estádio e do multidesportivo (que é detido pela SPM) por mais 33 anos, e foi uma das alterações introduzidas pela nova direção à proposta inicial de fusão, elaborada no mandato de Godinho Lopes. A nova versão do documento já está disponível para consulta no site do Sporting.

Com a entrada da SPM e dos 8 milhões de euros correspondentes, o capital social da SAD passará a ser de 47 milhões de euros (os 39 atuais + 8), mas este não será o único aumento previsto no âmbito do plano de reestruturação. A proposta de Bruno de Carvalho prevê, ainda, um aumento adicional de capital de 38 milhões de euros, que se processará pela entrada de investidores nacionais e estrangeiros, pela conversão de créditos em ações e pelo envolvimento da banca. Neste aumento de capital, sabe Record, cada ação do Sporting será avaliada a 1 euro (apesar de o valor de mercado ser inferior).

Maioria garantida

Se os associados aprovarem estas medidas, o capital social da SAD será elevado a 85 milhões de euros, com o Sporting a manter a maioria prometida em campanha pelo presidente. Os leões ficarão com aproximadamente 51% da SAD (equivalentes a cerca de 43 milhões de euros) e os restantes 49% (aproximadamente 42 milhões) ficarão dispersos por outros acionistas.

Esta operação, recorde-se, é essencial para que o Sporting consiga repor os capitais próprios (a diferença entre tudo o que tem e tudo aquilo que deve) e assim cumprir com as regras de fair play financeiro impostas pela UEFA.