Na Gala Prémios Stromp, esta terça-feira, o presidente do Sporting deixou uma mensagem a todos os sócios e adeptos. Bruno de Carvalho abordou a importância da “militância” entre sportinguistas.

“Quando os sportinguistas quiserem que saia do clube, basta que recolham as assinaturas necessárias e não terão de pagar qualquer custo por essa Assembleia Geral. Se a vontade da maioria for a minha saída, acatarei no momento. Pede-se empenho, garra, força e coragem para vencer, uma militância que os rivais temem”, atirou.

O dirigente leonino referiu ainda os últimos emails divulgados alegadamente trocados entre funcionários do Sporting e Pedro Guerra.

“Este momento que vivemos é mais grave, está provado que os bastidores do futebol se estendem de uma forma vergonhosa a toda a sociedade. Tudo vale. Tudo vai passando impune e o pior da impunidade é que quem comete estes atos vai alargando o âmbito da atuação, pois sente-se acima da lei”, explicou.

“Tudo o que se tem visto mostra o estado do futebol português, em relação ao qual eu disse ter vergonha de pertencer. Espero eu que de uma vez por todas, todos percebam o que eu disse… Até darem a morada das pessoas e seus familiares, temos visto de tudo um pouco, mas receio que o pior ainda está para vir. O futebol não se consegue auto regular e não pode ser um subsistema acima da lei. Está na altura de tomarem todas as medidas para que possamos viver num país livre e com ordem. Não nos podemos esquecer que já houve dois assassinatos entre outros casos graves”, completou.