O Sporting fez chegar, esta terça-feira, ao Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) um documento com mais de 100 páginas, no qual refuta os argumentos apresentados por Daniel Podence para alegar justa causa na hora de avançar para a rescisão contratual.

De acordo com o jornal Record, a SAD liderada por Sousa Cintra entende ter direito a uma indemnização de 60,45 milhões de euros pela saída do avançado português, que entretanto assinou pelo Olympiacos.

Destes, 60 milhões de euros correspondem à cláusula de rescisão presente no contrato que ligava ambas as partes, e os restantes 450 mil euros ao ordenado bruto a que Podence teria direito até ao final do vínculo.

O Sporting desvaloriza a “continuada violência psicológica” invocada pelo jogador, a propósito das mensagens enviadas por Bruno de Carvalho, e lembra que também o Olympiacos conta com um historial de episódios violentos.

Ainda segundo a publicação, entre as testemunhas figura o nome de Bruno de Carvalho, ex-presidente leonino, e de Frederico Varandas, ex-responsável clínico e atual candidato às eleições do próximo dia 8 de setembro.