Cristian Ponde é filho de pais romenos, que viajaram para o Algarve quando o avançado tinha dez anos. Por isso tem hoje dupla nacionalidade: portuguesa e romena.

Ora este facto faz o jovem leonino ser muito seguido na Roménia e fê-lo ser agora procurado pela imprensa romena, a dias do Steaua Bucareste defrontar o Sporting na Champions.

Antes de mais, quiseram que Ponde traçasse o perfil do Sporting.

«É uma equipa muito boa, tática e tecnicamente, com um excelente treinador. Steaua vai ter vida muito difícil. Mas não é impossível, não há impossíveis no futebol», referiu.

«O Sporting tem um jogo de posse, muito ofensivo e variado, com muito bons jogadores individuais, que gostam de ter a bola e impor ritmo de jogo. Tem muita qualidade no ataque. Gelson Martins pode decidir um jogo numa jogada e Bas Dost faz dois golos em duas oportunidades. É um matador, tipo Jardel.»

Depois perguntou-se a Cristian Ponde por Jorge Jesus.

«Taticamente, é um mestre, o melhor em Portugal. Um treinador conhecido pelos treinos intensos e por ter uma exigência máxima. Ele quer que os jogadores dêem tudo. E quando o jogador faz as coisas bem, ele diz-te isso mesmo e muito mais. Já treinei com ele.»

Falando dele próprio, Cristian Ponde diz que aos 22 anos ainda não deixou de sonhar: e tem um sonho bem claro na cabeça dele.

«Jogar na equipa principal do Sporting. Tenho dois anos de contrato e gostaria muito de realizar esse sonho», referiu.

«Perdi dois anos da minha carreira, mas nunca perdi a esperança. Só tenho 22 anos e a vida continua. Agora estou bem. Na época passada estive no Sp. Covilhã, agora regressei ao Sporting, estou na equipa B, quero crescer esta época e pode ser que para o ano chegue à equipa principal. O outro sonhar é jogar pela seleção de Portugal, ou da Roménia.»

Cristian Ponde, refira-se, não consegue esquecer a lesão que em março de 2014 o obrigou a perder praticamente duas temporadas: uma rotura dos ligamentos cruzados do joelho.

«Tinha 18 anos, fazia o meu último ano de júnior e fui chamado para fazer a pré-época com a primeira equipa em Toronto, no Canadá. Por isso a lesão foi um obstáculo difícil na carreira», começou por recordar.

«Talvez sem essa lesão eu já tivesse sido chamado à equipa principal do Sporting… Perdi dois anos importantes, perdi o Euro Sub-19, perdi o Mundial Sub-20. Eram duas oportunidades muito boas na minha carreira, tanto a nível de Sporting como de Seleção.»