Os treinadores seniores das cinco modalidades de pavilhão do Sporting – futsal, voleibol, andebol, basquetebol e hóquei em patins – consideraram hoje existir “um degrau competitivo muito grande” entre os escalões de formação e as equipas seniores.

Hugo Canela, treinador de andebol dos ‘leões’, é da opinião que Portugal “perde muitos jovens talentos” na formação e que “há ainda um longo caminho a percorrer”, o que mereceu a aprovação de Nuno Dias, técnico da equipa de futsal.

“Não é fácil integrar atletas da formação na equipa principal e jogar ao mais alto nível. Sabemos essa dificuldade e, por isso, temos vários jogadores da nossa formação a atuar em outras equipas da primeira divisão”, disse o treinador dos tricampeões nacionais de futsal.

Num painel pertencente à Sporting Summit, cimeira de modalidades organizada pelo clube ‘leonino’, intitulado “Da formação ao alto rendimento”, a existência de equipas secundárias foi também motivo de debate e discórdia entre os treinadores.

O técnico de andebol afirmou que “ter uma equipa B pode ajudar a responder ao grande número de atletas que brevemente terão idade de sénior”, ao contrário dos restantes treinadores, que defendem o empréstimo de jovens jogadores a equipas da primeira divisão.

“Aqueles jogadores que nos interessam, mas que não têm espaço na equipa principal devem rodar a um nível mais elevado”, considerou Luís Magalhães, do basquetebol, apoiado por Hugo Silva, do voleibol, Paulo Freitas, do hóquei em patins, e Nuno Dias, com este último a acrescentar que “a melhor forma de fazer regressar um atleta é vê-lo a jogar na primeira liga em vez de na segunda ou terceira divisão”.

A exigência competitiva também mereceu análise dos oradores, com Hugo Silva a vincar a importância de “incutir desde muito cedo a exigência e a definição de sucesso” nas crianças, embora Nuno Dias ache que o objetivo principal não deve passar pelas vitórias.

“Quando iniciamos uma atividade de formação, o objetivo não passa tanto por vencer. Se for possível, é sempre bom, mas o principal objetivo é formar. Em escalões baixos, as crianças devem divertir-se e deixá-las jogar, têm tempo para depois treinarem e especializarem-se”, defendeu.

O papel dos pais na educação dos filhos também não passou despercebido, com Paulo Freitas a referir que estes “são um elemento dificultador do sucesso dos filhos”.

“Sou contra a presença de pais nos treinos. Se um jovem começa a ser sobredimensionado, muito dificilmente vingará enquanto sénior”, opinou o técnico ‘leonino’ de hóquei em patins, com Hugo Canela e Luís Magalhães a acrescentarem que, além de formar os atletas, é necessário também “educar, acompanhar e gerir as expetativas” dos pais.

A Sporting Summit prolonga-se até sábado, no Estádio José Alvalade, no Pavilhão João Rocha e no Multidesportivo, e conta com oradores pertencentes às diversas modalidades do clube.