Raphinha acredita que Wendel está pronto para mostrar o que vale. Em entrevista ao portal “Goal”, do Brasil, o extremo garante que o que faltava ao médio, para se afirmar no Sporting, era confiança.

Depois de seis meses quase sem jogar com Jorge Jesus e de outros outros quatro no anonimato, na era Jose Peseiro, Wendel conseguiu finalmente conquistar a titularidade no Sporting. Marcel Keizer confiou no médio brasileiro, que tem justificado com boas exibições. Para Raphinha, a qualidade já estava lá, só precisava de ser libertada.

“O Wendel é um jogador de muita qualidade, acho que ninguém duvida disso. Ele estava a precisar mesmo ganhar um pouco mais de confiança. Agora, com uma sequência de jogos, não vai dececionar”, sustenta.

Um jogador de “tubarão” e quatro exemplos extra-Sporting
Raphinha também tem fortes elogios para Bruno Fernandes, que o tem ajudado desde que chegou ao Sporting e “ainda mais agora, neste momento complicado de lesão”. Como pessoa, na ótica de Raphinha, o “8” leonino não deixa a desejar. Como jogador, ainda menos. “É extraordinário, é um dos melhores da Liga portuguesa. Encaixaria em qualquer grande clube do mundo”, enaltece o extremo.

Não é só no Sporting que alinham jogadores que Raphinha admira. O extremo também tem exemplos a seguir nos rivais: “Um dos jogadores que admiro bastante é o Brahimi [FC Porto], gosto muito de vê-lo jogar. Gosto também do Salvio e do Cervi [Benfica]. Agora, saindo um pouco das minhas características, há o Soares [Porto], é outro grande jogador.”
Raphinha foi levado para Alvalade por Jesus, com quem “seria uma honra” ter trabalhado, e teve a primeira oportunidade com Peseiro. Quando regressar de lesão, terá de se mostrar a Keizer. O extremo leonino, de 22 anos, trabalha “para dar o máximo” e acredita que pode “conquistar muitos títulos coletivos e também individuais”.